Arte e Criação Literária

Mulher - 8°H

O Dia da Mulher só faz sentido se tomarmos consciência da dimensão da repressão à qual tem sido sujeita a energia feminina na Terra, nos últimos milénios. O mundo grita e chora pela Mãe, pelo peito caloroso, por equilíbrio... por Amor.  

Mulher pura, viva, delicada, brilhante,

Que corre na montanha distante,

Acaricia as pedras e nutre as flores

Que brilham ao sol como cores.

Verde, amarelo, laranja, azul...

Ao vento como saia rodada do sul,

Ausente do mundo e das guerras,

Procurando a paz nas terras,

Amar é Viver - V4B

Amar é viver,

Morrer é renascer,

Vida nova de amor,

Solidadriedade na pobreza,

Liberdade plena sem doença nem dor.

Carinho e amor,

Em castelos de areia

Beijados pelo mar,

Transformam a doença

Em histórias de encantar.

                                                   António Bret Afonso.

Vários Sonhos - V4B

Muitos meninos têm o sonho

de sentir a brisa do mar!

O segredo é fechar os olhos,

sentar-se e imaginar!

Devemos sempre seguir o rio

e as gaivotas pelo ar,

porque o som do seu pio

nos leva sempre até ao mar!

No mar sempre há espuma branca,

onde renasce toda a sua vida.

Teremos sempre esperança

que não há volta sem ida.

                                                     Carolina Domingues Pinto, V4B.

Poema

O mar

Era um mar

Limpo e cheio de ondas,

Animais para descobrir

E sonhos calmos que te elevam como raízes a sorrir.

Uma praia com conchas,

Uma garrafa com segredos,

Um pôr-so-sol colorido

Num mundo...

Onde só há água e rochedos.

O Beijo da Palavrinha: capítulo adicionado à história

A única salvação

Maria Poeirinha faleceu e deixou o seu corpo na Terra, mas a sua alma subiu uma rampa até ao Céu. Uma voz melodiosa disse-lhe:

- Tu viajarás até um planeta cheio de conchas, rochas, peixes e, o mais importante, um mar clarinho e suave, uma casinha com muitos brinquedos, colares e comida para te alimentares e brincares.

Para lá fora Maria Poeirinha, numa viagem até à sua nova morada.

Conto de Natal

E se o Natal acabasse?!

No ano passado, o Natal foi incrível, finalmente os meus pais deixaram-me passar o Natal com os meus melhores amigos: o Gonçalo, a Mayara, a Érica e a Hana. Já agora eu sou o Martim.

 O Natal é a minha época favorita do ano porque há os jantares em família, as prendas, o Pai Natal, a neve, o azevinho, o nascimento de Jesus, o pinheirinho de Natal, as decorações, os filmes… Mas ,no meio disso,  há uma questão que já me ocorre há muito tempo : -  E se o Natal acabasse?

O lema é reciclar

Reciclar é o lema,

Vamos ajudar

A Terra a melhorar

Neste sensível tema.

 

Os resíduos separar,

É o primeiro passo a dar

Por que é que um passo tão simples

Custa tanto a realizar?

 

Para o chão o lixo

Não se deve atirar,

É no ecoponto

Que ele deve estar.

 

Reciclar é o lema,

O lema é reciclar

Vamos ajudar

A Terra a melhorar

 

Reutilizar? Porque não?

Poupas dinheiro

E ainda passas tempo

Com o teu irmão.

 

As alterações climáticas,

O beijo da palavrinha - Acróstico

O seu nome é Maria, mas todos lhe chamam Poeirinha.

Brincava com a areia,

Estava muito divertidinha,

Irmão tinha um, chamava-se Zeca Zonzo.

Jaime, seu tio, nunca tinha imaginado isto:

O mar nunca tinham visto.

Depois de algum tempo, Poeirinha ficou doente.

«A água é sua única cura!» - disse o tio confiante.

Para Zeca Zonzo sua irmã salvar

O beijo da palavrinha - Acróstico

O beijo da palavrinha

Bem pobre era a menina,

E renasceu.

Imaginava, nos seius sonhos, que era o rio.

Jaime, seu tio, achou grave a sua família nunca ter visto o mar.

O mar é lindo,

Digno de se apreciar.

A Poeirinha adoeceu gravemente.

Por isso, sua mãe tentou que ela se recuperasse.

Apesar disso, não melhorou.

O Beijo da Palavrinha - Acróstico

O Beijo  da Palavrinha, de MIA COUTO

Bondosa e pobre era ela,

Ela tinha o desejo de ir para o mar,

Inesperada foi a doença que lhe apareceu sem contar,

Já que estava doente, foi cortando os laços aos poucos,

Os pais e a família ficaram tristes.

De tantos anos considerado tonto, Zeca teve uma ideia inteligente ao ver

A Maria Poeirinha deitada na cama sem visão.

Páginas