Escola Básica de Estrada, Mazedo

Morada: 
Mazedo, Monção
Telefone: 
251 654 638
Coordenador: 
Prof. Fernanda Besteiro

O beijo da palavrinha - Acróstico

O seu nome é Maria, mas todos lhe chamam Poeirinha.

Brincava com a areia,

Estava muito divertidinha,

Irmão tinha um, chamava-se Zeca Zonzo.

Jaime, seu tio, nunca tinha imaginado isto:

O mar nunca tinham visto.

Depois de algum tempo, Poeirinha ficou doente.

«A água é sua única cura!» - disse o tio confiante.

Para Zeca Zonzo sua irmã salvar

O beijo da palavrinha - Acróstico

O beijo da palavrinha

Bem pobre era a menina,

E renasceu.

Imaginava, nos seius sonhos, que era o rio.

Jaime, seu tio, achou grave a sua família nunca ter visto o mar.

O mar é lindo,

Digno de se apreciar.

A Poeirinha adoeceu gravemente.

Por isso, sua mãe tentou que ela se recuperasse.

Apesar disso, não melhorou.

O Beijo da Palavrinha - Acróstico

O Beijo  da Palavrinha, de MIA COUTO

Bondosa e pobre era ela,

Ela tinha o desejo de ir para o mar,

Inesperada foi a doença que lhe apareceu sem contar,

Já que estava doente, foi cortando os laços aos poucos,

Os pais e a família ficaram tristes.

De tantos anos considerado tonto, Zeca teve uma ideia inteligente ao ver

A Maria Poeirinha deitada na cama sem visão.

MAR e VERSO

Na sequência da atividade de leitura orientada da obra de Mia Couto - O Beijo da Palavrinha - na Escola de Mazedo, a turma do 4º ano elaborou este primeiro poema coletivo:

MAR E VERSO

Oiço búzios  

E recordo o rio que vem até ao mar

Os peixes nadam 

E vejo as rochas que estão no fundo 

A espuma das marés toca-me nos pés

E a gaivota voa por cima de mim

Eu passeio na costa

E a ave voa num céu sem nuvens

Pages